Páginas

Poema de Algusto dos Anjos

domingo, 22 de maio de 2011.
AO LUAR
Quando, à noite, o Infinito se levanta
À luz do luar, pelos caminhos quedos
Minha tátil intensidade é tanta
Que eu sinto a alma do Cosmos nos meus dedos!
Quebro a custódia dos sentidos tredos
E a minha mão, dona, por fim, de quanta
Grandeza o Orbe estrangula em seus segredos,
Todas as coisas íntimas suplanta!
Penetro, agarro, ausculto, apreendo, invado
Nos paroxismos da hiperestesia,
O Infinitésimo e o Indeterminado...
Transponho ousadamente o átomo rude
E, transmudado em rutilância fria,
Encho o Espaço com a minha plenitude!

2 comentários:

★★ GIZA ★★ disse...

ÓTIMA POSTAGEM!!!!
TEM SELINHO NO BLOG PARA VOCÊ:
http://amorimortall.blogspot.com/2011/05/selinhos_24.html
ESPERO QUE GOSTE DO PRESENTE!!!
BEIJOS

۞Carla_Witch Princess۞ disse...

Adorei o poema!!!
Lily, tem selinho p/ vc no meu blog:
http://vampireplace.blogspot.com/2011/05/selinho-seu-blog-e-encantador.html

:)

Bjinhossssssss

Postar um comentário

Comente... dê sua opinião e faça uma blogueira feliz :)
Beijos e obrigada!!!!
*-*